O Pr. Gilson Soares dos Santos é casado com a Missionária Selma Rodrigues, tendo três filhos: Micaelle, Álef e Michelle. É servo do Senhor Jesus Cristo, chamado com santa vocação. Bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional), Campina Grande/PB; Graduado em Filosofia pela UEPB (Universidade Estadual da Paraíba); Pós-Graduando em Teologia Bíblica pelo CPAJ/Mackenzie (Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper). Professor de Filosofia e Teologia Sistemática no STEC. Professor de Teologia Sistemática no STEMES, em Campina Grande - Paraíba. Pastor do Quadro de Ministros da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil (AIECB). Pastoreou a Igreja Evangélica Congregacional de Cuité/PB, durante 15 anos (1993-2008). Atualmente é Pastor Titular da Igreja Evangélica Congregacional em Areia - Paraíba.

25 de junho de 2015

Galeria de Arminianos


GALERIA DE ARMINIANOS

Pr. Gilson Soares dos Santos

Encontrei na linha do tempo, no facebook de uma cristã calvinista um link para um blog arminiano. Resolvi acessar o link e me deparei com uma lista de “A” a “Z” com nomes de teólogos, pastores e escritores arminianos. Achei muito interessante compartilhar a lista. Os créditos, é claro, vão para o autor da postagem. No final você pode conferir o link.



 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

MINHA LISTA DE ARMINIANOS

Por Paulo Cesar Antunes

Como resposta aos que me pediram: Clovis Goncalves (Perdoe a demora) Luís Felipe Nunes Borduam; Valdemir Pires Moreira.

A lista não é exaustiva, obviamente, e está sujeita a críticas e correções. Se me esqueci de algum nome, entre em contato para eu acrescentá-lo. Além de arminianos clássicos e wesleyanos, há arminianos de quatro pontos (geralmente batistas), proto-arminianos (caso de Menno Simons), arminianos que preferem ser chamados por outro nome (paleo-ortodoxo, caso de Thomas C. Oden), arminianos que acreditam ser calvinistas moderados (caso de Norman L. Geisler). Alguns arminianos certamente me pediriam para tirá-los da lista, caso ficassem sabendo dela (caso de Stanley J. Grenz, se estivesse vivo). Só lamento por eles, não vou tirar Emoticon wink. Pensei em listar, em separado, os nomes dos remonstrantes e dos primeiros pais que se alinharam com o Arminianismo. Fica para uma segunda oportunidade. A lista não foi criada para impressionar as pessoas. A ideia foi reunir nomes de arminianos conhecidos para facilitar as minhas pesquisas. Futuramente pretendo acrescentar mais informações sobre cada nome (aceito sugestões). Por enquanto, só há nome completo, nome pelo qual a pessoa é conhecida e anos de nascimento e morte (quando tenho essas informações).

A. Philip Brown II
Abraão de Almeida (1939-)
Adrio König
Alva Bee Langston (1878-1965)
Aaron Merritt Hills (1848-1935)
Abel Stevens (1815-1897)
Adam Clarke (1762-1832)
Adam Harwood
Adrian Pierce Rogers [Adrian Rogers] (1931-2005)
Aiden Wilson Tozer [A. W. Tozer] (1897-1963) 
Ajith Fernando
Albert Cook Outler [Albert C. Outler] (1908-1989)
Albert Cornelius Knudson (1873-1953)
Albert Nash (1812–1900)
Alexander Campbell
Alexander Duncan Reily (1924-2004)
Alfred Raymond George [A. Raymond George] (1912-1998)
Alvin Carl Plantinga [Alvin Plantinga] (1932-)
Amos R. Binney (1802-1878)
Andrew Wommack
Antonio Gilberto
Archibald Thomas Robertson [A. T. Robertson] (1863-1934)
Arthur Skevington Wood
Austin Fischer
B. J. Oropeza
B. T. Roberts (1823-1893)
Barton W. Johnson [B. W. Johnson] (1833-1894)
Balthasar Hubmaier (1480-1528)
Ben Witherington III (1951-)
Benjamin Field (1827-1869)
Bernhard Johnson Jr. (1931-1995)
Bill T. Arnold
Brenda B. Colijn
Brian J. Abasciano
Brian Zahnd
Bruce A. Little
Bruce L. Shelley
Bruce R. Reichenbach
C. Gordon Olson
C. Stephen Evans (1948-)
Carl Oliver Bangs [Carl Bangs] (1922-2002)
Carlos Augusto Vailatti
Carlos Kleber Maia [Kleber Maia]
Caspar Brandt (1653-1696)
Charles Butler (1750-1832)
Charles Edward White
Charles Gutenson
Charles Jerry Vines [Jerry Vines] (1937-)
Charles John Ellicott [C. J. Ellicott] (1819-1905)
Charles M. Cameron
Charles W. Carter
Charles Wesley (1707-1788)
Christopher C. Chapman
Christopher Potter
Chuck Smith
Ciro Sanches Zibordi
Clarence L. Bence
Claudionor de Andrade
Clive Staples Lewis [C. S. Lewis] (1898-1963)
Conrad Vorstius [Konrad von dem Vorst] (1569-1622)
Craig L. Blomberg
Craig S. Keener
Dale Moody (1915-1992)
Dallas Willard (1935-2013)
Daniel B. Pecota
Daniel Berg (1884-1963)
Daniel Denison Whedon (1808-1885)
Daniel Steele (1824-1914)
David Charles Haddon Hunt [Dave Hunt] (1926-2013)
David A. deSilva
David Baker
David Harold Stern [David H. Stern] (1935-)
David John Alfred Clines [David J. A. Clines] (1938-)
David Lewis Allen
David Pawson (1930-)
David W. Bercot (1950-)
David Wilkerson (1931-2011)
Derek Prince
Donald A. D. Thorsen
Donald C. Stamps
Donald G. Bloesch (1928-2010)
Donald M. Lake
Douglas K. Stuart [Doug Stuart]
Dwight L. Moody (1837-1899)
Earl C. Wolf
Edson de Faria Francisco
Edward Bird
Edward Earl Joiner [Eduardo Joiner]
Edward J. Mullins
Edward McKendree Bounds [E. M. Bounds] (1835-1913)
Elias Soares
Elienai Cabral
Elinaldo Renovato de Lima
Elmer L. Towns
Enéas Tognini
Ergun Michael Caner [Ergun Caner] (1966-)
Eric Hankins
Ernest S. Williams (1885-1981)
Esdras Costa Bentho
Esequias Soares
Étienne de Courcelles (lat: Stephanus Curcellaeus) (1586-1659)
Eugene E. Carpenter
Everett Lewis Cattell (1905-1981)
F. Leroy Forlines
F. Stuart Clarke
Francis Asbury (1745-1816)
Francis Hodgson (1805-1877)
Frank Turek
Franz Delitzsch (1813-1890)
Fred Sanders
Frederic Louis Godet (1812-1900)
French L. Arrington
Fritz Guy (1930-)
Gareth Lee Cockerill
Gary B. McGee
Gary Habermas (1950-)
Gene L. Green
Geoffrey F. Nuttall
George Eldon Ladd (1911-1982)
George L. Bryson
George Lyons
George Mitrovich
George Pretyman Tomline (1750-1827)
George Washington Northurp (1825-1900)
Gerald O. McCulloh
Gilbert G. Bilezikian
Glen Shellrude
Gordon C. I. Wong
Gordon Donald Fee [Gordon Fee] (1934-)
Grant R. Osborne
Greg Laurie
Gunnar Vingren (1879-1933)
Günther H. Juncker
Guy P. Duffield
H. Ray Dunning (1926-)
Halford E. Luccok (1885-1961)
Hendrik Hanegraaff [Hank Hanegraaff] (1950-)
Henry Clarence Thiessen
Henry Clay Sheldon (1820-1877)
Henry Hammond (1605-1660)
Henry Orton Wiley [H. Orton Wiley] (1877–1961)
Henry T. Blackaby
Herbert B. McGonigle
Herman Nicolaas Ridderbos [Herman Ridderbos] (1909-2007)
Herschel Harold Hobbs [Herschel Hobbs] (1907-1995)
Howard A. Snyder
Hugo Grotius (1583-1645)
I. Howard Marshall (1934-)
Israel Belo de Azevedo (1952-)
J. D. Walt
J. Gregory Crofford
J. Matthew Pinson
J. Rodman Willians (1918-2008)
J. Steven Harper [Steven Harper]
J. Vernon McGee
Jack Hayford
Jack W. Cottrell
James Arminius (1560-1609)
James Burton Coffman (1905-2006)
James D. G. Dunn (1939-)
James Dean Strauss [James D. Strauss] (1929-2014)
James K. Beilby
James Leo Garrett, Jr. (1925-)
James Luther Adams
James M. Leonard
James Morison (1816-1893)
James Nichols (1785-1861)
James Porter Moreland [J. P. Moreland] (1948-)
James Richard Joy
James Strong (1822-1894)
Jean Le Clerc (1657-1736)
Jeremy A. Evans
Jeremy Taylor (1613-1667)
Jerry L. Walls
Joannes Tideman
Joel B. Green
Johan van Oldenbarnevelt (1547-1619)
Johann Friedrich Karl Keil [Carl Friedrich Keil] (1807-1888)
Johann Jakob Wettstein (1693-1754)
Johannes Wtenbogaert (1557-1644)
John Carson Lennox [John C. Lennox] (1945-)
John Dickins (1746-1798)
John F. Parkinson
John Goodwin (1594-1665)
John Griffith
John Hales (1584-1656)
John Mark Hicks
John McClintock (1814-1870)
John Miley (1813-1895)
John Milton (1608-1674)
John Norman Davidson Kelly [J. N. D. Kelly] (1909-1997)
John Oswalt
John Overall (1559-1619)
John Plaifere
John Shaw Banks (1835-1917)
John Smyth (1570-1612)
John Telford
John Wesley (1703-1791)
John Wesley Adams
John William de la Fléchère [John Fletcher] (1729-1785)
John William McGarvey [J. W. McGarvey] (1829-1911)
Jonathan Andersen
Jonathan R. Wilson
Jonathan Weaver (1824-1901)
Jorge Pinheiro dos Santos
José Ildo Swartele de Mello [Ildo Mello]
Joseph Agar Beet (1840-1924)
Joseph Benson (1749-1821)
Joseph Kenneth Grider (1921-2006)
Joseph R. Dongell
Joseph S. Wang
Joseph Sutcliffe (1762-1856)
Joshua Ratliff
Justo L. Gonzalez (1937-)
Keith D. Stanglin
Kenneth D. Keathley
Kenneth J. Collins
Kevin Kennedy
Kevin Timpe
Klyne R. Snodgrass
L. Paige Patterson [Paige Patterson] (1942-)
Lancelot Andrewes (1555-1626)
Lars Eric Bergstén [Eurico Bergstén] (1913-1999)
Laurence M. Vance
Laurence Womock [Lawrence Womach/Womack, Daniel Tilenus/Tilenius (pseud.)] (1563-1633)
Lee Strobel (1952-)
Leo George Cox (1912-1997)
Leonard Ravenhill (1907-1994)
Leroy Madison Lee (1808-1882)
Leslie D. Wilcox (-1991)
Louis Chéron
Lourenço Stelio Rega (1953-)
Luke L. Keefer Jr. (1940-2010)
Luther Lee (1800-1889)
Malcolm B. Yarnell III
Manfred Marquardt
Marion Boyd Stokes [Mack B. Stokes] (1911-2012)
Mark A. Ellis
Markus Barth (1915-1994)
Marvin Richardson Vincent [Marvin R. Vincent] (1834-1922)
Matthew P. O'Reilly
Max Lucado (1955-)
Menno Simons (1496-1561)
Michael Green
Michael L. Brown (1955-)
Mildred Olive Bangs Wynkoop (1905-1997)
Miner Raymond
Moses Lowman (1680-1752)
Myer Pearlman
Natanael Rinaldi
Nathan Bangs (1778-1862)
Nathanael Burwash (1839-1918)
Nathaniel M. Van Cleave
Nels Lawrence Olson [Lawrence Olson] (1910-1993)
Norman L. Geisler (1932-)
O. Glenn McKinley
Olin Alfred Curtis (1850-1918)
Orland Spencer Boyer [Orlando Boyer] (1893-1978)
Oswald Chambers (1874-1917)
Paul Copan (1962-)
Paul J. Achtemeier (1927-2013)
Paul R. Eddy
Paul T. Culbertson
Paulo Lockman
Paulo Rodrigues Romeiro [Paulo Romeiro]
Peter Baro (1534-1599)
Petrus Bertius (1565-1629)
Philip Melancthon (1497-1560)
Philip Pugh (1817-1871)
Philip Yancey (1949-)
R. Alan Streett
R. Larry Shelton
Randall G. Basinger
Randal Rauser
Randolph Sinks Foster (1820-1903)
Randy L. Maddox (1953-)
Randy Sawyer
Ravi Zacharias (1946-)
Richard C. H. Lenski (1864-1936)
Richard Cross
Richard D. Land (1946-)
Richard James Foster [Richard Foster, Richard J. Foster] (1942-)
Richard Watson (1781–1833)
Rick Patrick
Robert E. Picirilli
Robert Eugene Chiles (1923-1992)
Robert Lee Shank (1918-2006)
Robert W. Burtner
Roger E. Olson (1952-)
Roger Thomas Forster [Roger T. Forster] (1933-)
Rombout Hogerbeets [Rombout Hoogerbeets] (1561-1625)
Ron F. Hale
Ronnie W. Rogers [Ronnie Rogers]
Russell Henry Stafford
Samuel Chadwick (1860-1932)
Samuel Clarke (1675-1729)
Samuel Fisk
Samuel Loveday
Samuel Wakefield (1799-1895)
Scot McKnight
Silas Daniel
Simon Episcopius (1583-1643)
Simon Patrick (1626-1707)
Stanley J. Grenz (1950-2005)
Stanley M. Hauerwas (1940-)
Stanley M. Horton (1916-2014)
Stephen M. Ashby
Steve Hill (1954-2014)
Steve Seamands
Steve W. Lemke
Steve Witski
Steven L. Hitchcock
Tassos Lycurgo
Terry L. Miethe
Thomas Benjamin Neely (1841-1925)
Thomas C. Oden (1931-)
Thomas Coke (1747-1814)
Thomas Dove (1555-1630)
Thomas Erskine (1788-1870)
Thomas Goad (1576-1638)
Thomas Grantham (1634-1692)
Thomas H. McCall
Thomas Helwys (1550-1616)
Thomas Jackson (1783-1873)
Thomas N. Finger
Thomas Neely Ralston (1806-1891)
Thomas Olivers (1725–1799)
Thomas Osmond Summers (1812–1882)
Thomas Taylor (1738-1816)
Timothy C. Tennent (1959-)
Tremper Longman III
Umphrey Lee (1893-1958)
V. Paul Marston
Valmir Nascimento Milomem Santos
Vernon Carl Grounds [Vernon C. Grounds] (1914-2010)
Vic Reasoner
W. A. Criswell (1909-2002)
W. Brian Shelton
W. E. Vine
Wagner Gaby
Walter Klaiber (1940-)
Walter Sellon
Watchman Nee (1903-1972)
Wayne Cordeiro
Wesley Duewel
Westlake Taylor Purkiser [W. T. Purkiser] (1910-1992)
Wilbur Fisk (1792-1839)
William Arie den Boer [William den Boer] (1977-)
William Ashley Sunday [Billy Sunday] (1862-1935)
William Baxter Godbey (1833-1920)
William Burt Pope (1822–1903)
William Fairfield Warren (1833-1929)
William Franklin Graham Jr [Billy Graham] (1918-)
William G. MacDonald
William Gene Witt
William H. Browning (1805-1873)
William Henry Willimon (1946-)
William Hull
William J. Abraham (1947-)
William Lane Craig (1949-)
William Laud (1573-1645)
William Lowth (1660-1732)
William Marvin Greathouse [William M. Greathouse] (1919-2011)
William Ragsdale Cannon (1916-1997)
William Sanday (1843-1920)
William Taylor (1821-1902)
William W. Menzies [Bill Menzies] (1931-2011)
William W. Klein
Wilson Thomas Hogue (1852-1920)
Zacarias de Aguiar Severa

Encontrado em http://valdemirpmoreira.blogspot.com.br/2015/03/minha-lista-de-arminianos.html , acesso em 24/06/2015.


14 de junho de 2015

Babilônia, Bruno Gagliasso e o mau uso da palavra "censura", na "pena" de Norma Braga


BABILÔNIA, BRUNO GAGLIASSO E O MAU USO DA PALAVRA “CENSURA”, NA “PENA” DE NORMA BRAGA

Pr. Gilson Soares dos Santos

Li no site da Revista Veja, (http://veja.abril.com.br/noticia/entretenimento/bruno-gagliasso-chora-e-ameaca-parar-de-atuar-por-censura-a-babilonia/, acessado em 10/06/2015), sobre o choro do ator Bruno Gagliasso, que, ao receber uma premiação, aproveitou para desabafar e ameaçou deixar de atuar, chateado com o péssimo desempenho da novela “Babilônia” da Rede Globo de Televisão.

Segundo a matéria, o ator culpou os espectadores conservadores pelo péssimo desempenho da novela no ibope. No dia em que li a matéria, no aplicativo da veja no meu celular, pensei em escrever algo a respeito, porém, a Norma Braga escreveu em seu blog, de maneira impecável parte daquilo que eu pretendia escrever. Então, nem preciso mais escrever alguma coisa, somente reproduzir a seguir, na íntegra, o que esta excelente escritora publicou em seu Blog.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
           

DO MAU USO DA PALAVRA “CENSURA”

Norma Braga

Bruno Gagliasso e outros atores da novela Babilônia, vejam só, acreditam estar sofrendo censura. Mas quem acompanha o imbroglio sabe: tudo o que aconteceu foi que, diante da rejeição maciça de boa parte dos telespectadores ao primeiro capítulo, que mostrava um beijo gay entre duas senhoras, a própria emissora correu atrás para remodelar a história mais ao gosto do senso comum. Se alguém censurou Babilônia, foram seus autores e diretores, a mando do deus Ibope, o principal ídolo da televisão. Vamos lá então, uma palavrinha para Bruno Gagliasso e outros que, como ele, gostam de bancar o mártir de uma pretensa ditadura conservadora: se vocês querem muitos beijos gays, gente nua e o escambau, sugiro largar as novelinhas da Globo e fazer teatro alternativo. Essa, sim, seria uma decisão corajosa. Aliás, teatro alternativo era o que estavam fazendo em 1968 atores como Marieta Severo, André Valli e Rodrigo Santiago, quando foram espancados pelo Comando de Caça aos Comunistas depois da peça Roda Viva - aquilo, sim, foi censura conjugada a violência. Horrenda censura. Não use nem aplauda a palavra em vão, caro elenco de Babilônia. Não desrespeite a memória de seus colegas que realmente sofreram, na pele inclusive, por sua consciência.

Encontrado em http://normabraga.blogspot.com.br/2015/06/do-mau-uso-da-palavra.html, acesso em 14/06/2015.

9 de junho de 2015

Boicotar ou não boicotar: será essa a questão?


BOICOTAR OU NÃO BOICOTAR: SERÁ ESSA A QUESTÃO?

Pr. Gilson Soares dos Santos

Uma empresa de cosméticos e perfumarias lançou um vídeo para sua campanha de dia dos namorados. O comercial, com duração de mais ou menos trinta segundos, mostra casais heterossexuais e homossexuais trocando presentes e carinhos. O comercial foi entendido, por muitos, como um apoio ao movimento LGBT e isto foi o suficiente para que um pastor lançasse uma campanha de boicote contra a empresa e seu comercial, mostrando que isso é uma orquestração para difundir a prática da homossexualidade.

Sabemos que a Bíblia condena veementemente a prática homossexual. Porém, minha pergunta é: Será que boicote resolve o problema da cegueira espiritual das pessoas? Será que boicote vai amenizar o grau de obscuridade na mente daqueles para os quais não resplandeceu a luz do Evangelho? Conforme já pregava nosso irmão congregacional Jonathan Edwards, o pecado controla a vontade humana e altera o julgamento. A concupiscência predispõe a mente do homem para aprovar o pecado e lhe dar nomes bonitos. O mesmo desejo que leva o homem a pecar contra Deus e Sua Palavra é o mesmo que o cegará. A concupiscência leva a mente carnal a inventar desculpas e aprovar o pecado.

Somos livres para boicotar, ou não, a perfumaria no “dia dos namorados”. Mas lembremos de uma coisa: só o “Evangelho é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê”.

2 de junho de 2015

Étienne Gilson: essência e existência no tomismo


ÉTIENNE GILSON: ESSÊNCIA E EXISTÊNCIA NO TOMISMO

Gilson Soares dos Santos

Étienne Gilson foi um historiador da Filosofia Medieval. Nasceu no dia 13 de Junho de 1884, em Paris, e morreu em 19 de Setembro de1978. Foi um dos mais dedicados intérpretes da Filosofia de Agostinho, Abelardo, Dante e São Boaventura, mas principalmente da Filosofia Tomista (Tomás de Aquino).

Segundo o pensamento gilsoniano, o tomismo torna-se interessante porque foi São Tomás de Aquino quem descobriu a chave metafísica que Aristóteles desconhecia, isto é, a distinção entre essência e existência. É claro, não se pode negar o grande avanço do pensamento aristotélico ao distinguir potência e ato, no devir, e matéria e forma, no ser. No entanto, segundo Gilson, Aristóteles não chegou a distinguir entre essência e existência. Essa conquista caberia a São Tomás de Aquino.

Porém, Étienne Gilson entende que Tomás de Aquino só alcançou isto devido a Revelação de um Deus criador. Isto pode ser entendido da seguinte forma: a Filosofia grega vê Deus como aquele que dá forma à matéria; a filosofia tomista, por sua vez, vê Deus como actus essendi.

A essência é a natureza de cada coisa, mas é inerte, vazia. Somente com a intervenção do actus essendi, a existência estendida, é que acontece a concretização da essência. Pensemos segundo o conceito tomista, assim interpretado por Gilson: Um homem, um cavalo, uma árvore são substâncias, porém, nenhum deles é a própria existência, embora eles sejam um homem que existe, um cavalo que existe e uma árvore que existe. Entretanto, recebem de outro a sua existência.

O que isso acrescenta é uma conclusão interessante, segundo o pensamento de Étienne Gilson: todas as coisas que têm essência distinta da existência exigem uma Causa Primeira. Então, de acordo com o pensamento gilsoniano, partindo da teoria de Tomás de Aquino podemos chegar a existência de Deus. Pois somente Deus é a Causa Primeira que existe em si mesma. Aquilo que existe por si mesmo não pode ter uma causa primeira, “é esse ser que nós chamamos Deus.”.