O Pr. Gilson Soares dos Santos é casado com a Missionária Selma Rodrigues, tendo três filhos: Micaelle, Álef e Michelle. É servo do Senhor Jesus Cristo, chamado com santa vocação. Bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional), Campina Grande/PB; Graduado em Filosofia pela UEPB (Universidade Estadual da Paraíba); Pós-Graduando em Teologia Bíblica pelo CPAJ/Mackenzie (Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper). Professor de Filosofia e Teologia Sistemática no STEC. Professor de Teologia Sistemática no STEMES, em Campina Grande - Paraíba. Pastor do Quadro de Ministros da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil (AIECB). Pastoreou a Igreja Evangélica Congregacional de Cuité/PB, durante 15 anos (1993-2008). Atualmente é Pastor Titular da Igreja Evangélica Congregacional em Areia - Paraíba.

30 de maio de 2012

Qual o Seu Papel em Missões?


Como se faz missões? "Orando, Indo ou Contribuindo!". Frase errada. Missões se faz "Orando, Indo e Contribuindo!". Você ainda não sabe qual o seu papel em missões? Sabe sim. Somente confirme, vendo  a animação a seguir:




29 de maio de 2012

Como se Faz um Santo no Catolicismo e no Protestantismo?


COMO SE FAZ UM SANTO NO CATOLICISMO E NO PROTESTANTISMO?

Rev. Gilson Soares dos Santos

PERGUNTA


Para que alguém se torne santo na igreja católica precisa ser canonizado. Não sei como é o processo, mas sei que no catolicismo nem todo mundo é santo. Gostaria de saber como uma pessoa se torna santo no protestantismo?

RESPOSTA

Muito boa a sua pergunta. Vamos então entender como se faz um santo no catolicismo e como se faz um santo no protestantismo.


PRIMEIRO: Como se faz um santo no catolicismo?

Todos sabemos que alguém só é reconhecido como santo dentro do catolicismo se for canonizado.

Canonizar é o ato pelo qual a igreja declara em estado de santidade o já falecido fiel católico.  Em outras palavras é o ato pelo qual a igreja católica declara se alguém pode ser considerado santo e ser adorado (ou venerado, como querem os católicos). Após esta declaração do papa, ele pode ser objeto de adoração ou, como dizem, de veneração dos fiéis.

O sistema moderno de canonização foi organizado por Sisto V que o confiou à Congregação dos Ritos, órgão da cúria romana.

Para que alguém, já falecido, seja canonizado, isto é, torne-se santo, isto demanda tempo, política e muito dinheiro. Vejamos os passos para que alguém seja canonizado:

1 – A etapa inicial de investigação é conduzida pelo bispo local, que nomeia um postulador da causa, espécie de advogado de defesa (para defender as causas dos santos brasileiros aqui no Brasil esse trabalho ficou por conta da freira Célia Cadorin), e um promotor da fé – o famoso "advogado do diabo" – que irá vasculhar a vida do santo, tentando achar algum erro, tanto em questões morais ou doutrinárias.

2 – Reunido o material e comprovada a fama de santidade do indicado, os autos são encaminhados a Roma.

3 – Cabe ao papa proclamar solenemente o novo "beato".

4 – No processo, são exigidas provas da realização de pelo menos dois milagres.

5 – Além disso, são gastos milhares de dólares durante todo o processo. Por exemplo, a canonização de Madre Paulina chegou a consumir cerca de 100 mil dólares (Veja, 06/03/2002).

6 – O Lobby organizado pela arquidiocese de São Paulo em prol da beatificação de Frei Galvão custou a bagatela de 95.000 reais.

7 – Finalmente, cumpridas todas as etapas do processo, o papa invoca publicamente a ajuda divina e a canonização é celebrada com toda pompa, na basílica de São Pedro.

8 – Posteriormente, é marcado um dia para celebrar a memória do santo.




SEGUNDO: Como se faz um santo no protestantismo?

As igrejas protestantes não tornam ninguém santo. A Bíblia deixa bem claro que todos os salvos são santos, estejam mortos ou vivos.

1 – Deus exige que todo aquele que lhe pertence se santifique, isto é, seja santo.

44 Porque eu sou o Senhor vosso Deus; portanto santificai-vos, e sede santos, porque eu sou santo; e não vos contaminareis com nenhum animal rasteiro que se move sobre a terra. 45 porque eu sou o Senhor, que vos fiz subir da terra do Egito, para ser o vosso Deus, sereis pois santos, porque eu sou santo. (Levítico 11.44,45).

2 Fala a toda a congregação dos filhos de Israel, e dize-lhes: Sereis santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo.(Levítico 19.2)

15 mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em todo o vosso procedimento; 16 porquanto está escrito: Sereis santos, porque eu sou santo. (I Pedro 1.15,16)


2 – Santo, segundo a Bíblia, é todo aquele que é chamado e separado para Deus.

26 E sereis para mim santos; porque eu, o Senhor, sou santo, e vos separei dos povos, para serdes meus. (Levítico 20.26)

7 a todos os que estais em Roma, amados de Deus, chamados para serdes santos: Graça a vós, e paz da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. (Romanos 1.7)

2 à igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para serem santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso.(I Coríntios 1.2)


3 – O apóstolo Paulo escrevendo para as igrejas se dirige a todos os crentes, chamando-os de santos.

15 Saudai a Filólogo e a Júlia, a Nereu e a sua irmã, e a Olimpas, e a todos os santos que com eles estão. (Romanos 16.15)

1 Paulo, apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, aos santos que estão em Éfeso, e fiéis em Cristo Jesus: (Efésios 1.1)

1 Paulo, apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, e o irmão Timóteo, à igreja de Deus que está em Corinto, com todos os santos que estão em toda a Acaia: (II Coríntios 1.1)


4 – Uma pessoa não se torna santa depois que morre, ao contrário, os eleitos foram escolhidos antes da fundação do mundo para serem santos.

4 como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele em amor;

12 Revestí-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de coração compassivo, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade, (Colossenses 3.12)


Santo, no protestantismo, é todo o eleito, santificado em Cristo Jesus, que vive em novidade de vida. São também aqueles que hoje “dormem no Senhor”. A ideia de santidade na igreja protestante é bíblica. Nenhum homem pode transformar outro em santo, por meio de qualquer processo. A santificação é pessoal e somente acontece para os que estão em Cristo Jesus. É "A graciosa e contínua operação do Espírito Santo pela qual ele liberta o pecador justificado da corrupção do pecado, renova toda a sua natureza à imagem de Deus, e o capacita para praticar boas obras". No protestantismo, santificação é uma posição, ou seja, é o estado de estar separado por Deus, para Deus, de estar no reino de Deus, sendo sua possessão particular. Neste sentido, cada cristão é um santo. No protestantismo, santificação também é um processo, isto é, o cristão cresce cada vez mais em santidade na vida diária. No cristianismo protestante, somos santos (uma posição), mas vivemos um processo de santificação que é a luta em busca do crescimento na fé.

28 de maio de 2012

Versículos Bíblicos Sobre Predestinação e Livre Arbítrio


VERSÍCULOS BÍBLICOS SOBRE PREDESTINAÇÃO E LIVRE ARBÍTRIO

Pr. Gilson Soares dos Santos

É comum em minhas aulas de Teologia Sistemática, e em conversas com estudiosos de Teologia, ser cobrado sobre uma lista de versículos que sustentem a doutrina calvinista da predestinação. Também sou interrogado sobre quais bases de versículos bíblicos os arminianos tentam firmar a doutrina do livre-arbítrio.
            
Elaborei aqui uma pequena lista de versículos usados pelos calvinistas para sustentar a doutrina da predestinação. Também elaborei uma pequena lista de versículos que os arminianos usam para basear a doutrina do livre arbítrio. Não comentarei os versículos, apenas, se preciso, introduzirei o que os calvinistas ou arminianos querem dizer ao fazer uso dos mesmos.
            
Quero lembrar que cada vez que você vier ler esta lista de versículos, ela vai estar maior, pois estarei introduzindo novos versículos tanto na linha calvinista quanto na linha arminiana.


VERSÍCULOS CALVINISTAS SOBRE A PREDESTINAÇÃO

 ROMANOS 8.28-38

28 Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. 29 Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de ele seja o primogênito entre muitos irmãos. 30 E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou.

JOÃO 13.18

18 Não falo a respeito de todos vós, pois eu conheço aqueles que escolhi; é, antes, para que se cumpra a Escritura “Aquele que come do meu pão levantou contra mim seu calcanhar”.

ATOS 13.48

48 Os gentios, ouvindo isto, regozijavam-se e glorificavam a palavra do Senhor; e creram todos os que haviam sido destinados para a vida eterna.

EFÉSIOS 1.4,5

4 assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor 5 nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade.

II TIMÓTEO 1.9

9 que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos.

II TESSALONICENSES 2.13,14

13 Entretanto, devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados pelo Senhor, porque Deus vos escolheu desde o princípio para a salvação, pela santificação do Espírito e fé na verdade, 14 para o que também vos chamou mediante o nosso evangelho, para alcançardes a glória de nosso Senhor Jesus Cristo.

JOÃO 6.39

39 E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia.

MARCOS 13.27

27 E ele enviará os anjos e reunirá os seus escolhidos dos quatro ventos, da extremidade da terra até à extremidade do céu.

ROMANOS 11.5-9

5 Assim, pois, também agora, no tempo de hoje, sobrevive um remanescente segundo a eleição da graça. 6 E, se é pela graça, já não é pelas obras; do contrário, a graça já não é graça. 7 Que diremos, pois? O que Israel busca, isso não conseguiu; mas a eleição o alcançou; e os mais foram endurecidos, 8 como está escrito: Deus lhes deu espírito de entorpecimento, olhos para não ver e ouvidos para não ouvir; até ao dia de hoje. 9 E diz Davi: Torne-se-lhes a mesa em laço e armadilha, em tropeço e punição; 10 escureçam-se-lhes os olhos, para que não vejam, e fiquem para sempre encurvadas as suas costas.

COLOSSENSES 3.12

12 Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade.

I PEDRO 1.2

2 eleitos, segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e a aspersão do sangue de Jesus Cristo, graça e paz vos sejam multiplicadas.

APOCALIPSE 17.14

14 Pelejarão eles contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, pois é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão também os chamados, eleitos e fiéis que se acham com ele.

MATEUS 22.14

14 Porque muitos são chamados, mas poucos, escolhidos.

MATEUS 24.24

24 porque surgirão falsos Cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos.

MATEUS 24.31

31 E ele enviará os seus anjos, com grande clangor de trombeta, os quais reunirão os seus escolhidos, dos quatro ventos, de uma a outra extremidade dos céus.

MATEUS 25.34

34 então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.

EFÉSIOS 2.1-10

1 Ele vos deu vida, estando vós mortos em vossos delitos e pecados, 2 nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; 3 entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais. 4 Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, 5 e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, pela graça sois salvos. 6 e, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus; 7 para mostrar, nos séculos vindouros, a suprema riqueza da sua graça, em bondade para conosco, em Cristo Jesus. 8 Porque pela graça sois salvos, mediante a fé, e isto não vem de vós; é dom de Deus; 9 não de obras, para que ninguém se glorie. 10 Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas.

OBSERVAÇÃO: A compreensão desse texto é a seguinte: Todos estão mortos espiritualmente. Um morto não tem capacidade de crer nem aceitar nada. Todos estão mortos. O Senhor vivifica aqueles que ele escolhe, pela regeneração, e essas pessoas podem então crer. A fé que faz com que eles creiam é um dom de Deus. Se ele escolheu e vivificou muitos, mas não fez isto com todos, então isso é eleição.

ROMANOS 9.11-24

11 E ainda não eram os gêmeos nascidos, nem tinham praticado o bem ou o mal (para que o propósito de Deus, quanto à eleição, prevalecesse, não por obras, mas por aquele que chama), 12 já for adito ela: ‘o mais velho será servo do mais moço’. 13 Como está escrito: ‘Amei Jacó, porém me aborreci de Esaú.’ 14 Que diremos, pois? Há injustiça da parte de Deus? De modo nenhum! 15 Pois ele diz a Moisés: ‘Terei misericórdia de quem me aprouver ter misericórdia e compadecer-me-ei de quem me aprouver ter compaixão.
16 Assim, pois, não depende de quem quer ou de quem corre, mas de usar Deus a sua misericórdia. 17 Porque a Escritura diz a Faraó: ‘Para isto mesmo te levantei, para mostrar em ti o meu poder e para que o meu nome seja anunciado por toda a terra.’
18 Logo, tem ele misericórdia de quem quer e também endurece a quem lhe apraz.
19 Tu, porém, me dirás: De que se queixa ele ainda? Pois quem jamais resistiu a sua vontade? 20 Quem és tu, ó homem, para discutires com Deus?! Porventura, pode o objeto perguntar a quem o fez: Por que me fizeste assim? 21 Ou não tem o oleiro direito sobre a massa, para do mesmo barro fazer um vaso para honra e outro, para desonra? 22 Que diremos, pois, se Deus, querendo mostrar a sua ira e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita longanimidade os vasos de ira, preparados para a perdição, 23 a fim de que também desse a conhecer as riquezas da sua glória em vasos de misericórdia, que para glória preparou de antemão, 24 os quais somos nós, a quem chamou, não só dentre os judeus, mas também dentre os gentios?.

MARCOS 4.10-12

10 Quando Jesus ficou só, os que estavam junto dele com os doze o interrogaram a respeito das parábolas. 11 Ele lhes respondeu: A vós outros vos é dado conhecer o mistério do reino de Deus; mas, aos de fora, tudo se ensina por meio de parábolas, 12 para que, vendo, vejam e não percebam; e, ouvindo, ouçam e não entendam; para que não venham a converter-se, e haja perdão para eles.

OBSERVAÇÃO: Para o calvinismo este é um versículo claro de que muitos são predestinados a não entender, não crer e não se converter.

LUCAS 13.24

24 Respondeu-lhes: Esforçai-vos por entrar pela porta estreita, pois eu vos digo que muitos procurarão entrar e não poderão.

 _______________________________________________________________________


VERSÍCULOS ARMINIANOS SOBRE O LIVRE ARBÍTRIO


II PEDRO 3.9

9 Não retarda o Senhor a sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento.

OBSERVAÇÃO: Os calvinistas não aceitam este versículo usado pelos arminianos, pois, segundo o calvinismo, Pedro está escrevendo para pessoas eleitas, pois ele usa a palavra “convosco”. Ele estava escrevendo para salvos.

I TIMÓTEO 2.4,6

4 o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade. 6 o qual a si mesmo se deu em resgate por todos; testemunho que se deve prestar em tempos oportunos.

I JOÃO 2.2

2 e ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro.

JOÃO 3.16

16 Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

MATEUS 23.37

37 Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes quis eu reunir os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo de suas asas, e vós não quisestes!

OBSERVAÇÃO: Para a linha arminiana o querer do homem se sobressai em relação ao querer de Deus, ou seja, Deus quer salvar, mas o homem não quer, prevalece o querer do homem.

TITO 2.11,12

11 Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, 12 educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente.

I PEDRO 1.10,11

10 Por isso, irmãos, procurai, com diligência cada vez maior, confirmar a vossa eleição; porquanto, procedendo assim, não tropeçareis em algum tempo. 11 Pois desta maneira é que vos será amplamente suprida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

MATEUS 16.24

24 Então, disse Jesus a seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me.

HEBREUS 2.9

9 vemos, todavia, aquele que, por um pouco, tendo sido feito menor que os anjos, Jesus, por causa do sofrimento da morte, foi corado de glória e de honra, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todo homem.

OBSERVAÇÃO: Mais uma vez, os arminianos insistem que Jesus morreu por todo homem.

II CORÍNTIOS 5.14

14 Pois o amor de Cristo nos constrange, julgando nós isto: um morreu por todos; logo, todos morreram.

JOÃO 6.40

40 De fato, a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.

JOÃO 5.40

40 Contudo, não quereis vir a mim para terdes vida.

ATOS 7.51

51 Homens de dura cerviz e incircuncisos de coração e de ouvidos, vós sempre resistis ao Espírito Santo, assim como fizeram vossos pais, também vós o fazeis.

OBSERVAÇÃO: Para os arminianos uma das maiores provas de que o homem tem livre arbítrio é que ele pode resistir ao Espírito Santo, ou seja, o Espírito quer convencê-lo do pecado, da justiça e do juízo, mas o homem não o quer. Na linha arminiana o querer do homem prevalece sobre o querer do Espírito.

MATEUS 24.13

13 Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo.

OBSERVAÇÃO: Na concepção arminiana, a perseverança cabe ao homem. Se ele quiser perseverar, persevera. Se ele quiser se desviar, se desvia. Para o arminianismo isto faz parte do livre arbítrio.

JOSUÉ 24.15

15 Porém, se vos parece mal servir ao Senhor, escolhei, hoje, a quem sirvais: se aos deuses a quem serviram vossos pais que estavam dalém do Eufrates ou aos deuses dos amorreus em cuja terra habitais. Eu e a minha casa serviremos ao Senhor.

APOCALIPSE 22.17

17 O Espírito e a noiva dizem: Vem! Aquele que ouve diga: Vem! Aquele que tem sede venha, e quem quiser receba de graça da água da vida.

MATEUS 18.14

14 Assim, pois, não é da vontade de vosso Pai celeste que pereça um só destes pequeninos.

LUCAS 21.19

19 É na vossa perseverança que ganhareis a vossa alma.

I TIMÓTEO 4.16

16 Tem cuidado de ti mesmo e do teu ensino; persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem.

II TIMÓTEO 2.12

12 Se perseveramos, com ele também reinaremos. Se o negarmos, também ele nos negará.

OBSERVAÇÃO: Os arminianos crêem que o salvo pode perder sua salvação. Somente por meio da perseverança ele a assegurará, mas, por causa do livre arbítrio, ele pode perdê-la.

27 de maio de 2012

Eu Quero Tchú, Eu Quero Tchá, Gospel? Misericórdia!!!

          Até onde vai a apelação pelo sucesso? Nos tempos de hoje, vai longe, tão longe que tem gente que só leva o tempo em fazer paródias de músicas imorais e infernalmente profanas, dando-lhes uma letra "gospel". O pior é que o negócio acaba fazendo rir. É trágico, mas é cômico. Olha só a brincadeira que esse moço faz com a música imoral "eu quero tchú, eu quero tchá", dando-lhe uma "cara gospel". Assista e ore para que esse povo crie "juízo gospel":




          Será que compensa atingir um número exorbitante de acessos no Youtube brincando com coisas sérias? Será que levar o povo a rir de coisas sérias é o melhor caminho para a fama? Não duvido que já tem igreja por aí cantando esse negócio...

     Em Cristo, 

Rev. Gilson Soares dos Santos


26 de maio de 2012

Conceito de Liberdade em Agostinho e Sartre



Rev. Gilson Soares dos Santos


1 - Compreensão da liberdade em Agostinho

Agostinho, desde o começo, seguiu os ensinamentos dos chamados "pais da igreja" que vieram antes dele. Ao escrever contra o maniqueísmo, Agostinho defendia que o ser humano, mesmo caído, possuía o poder da livre escolha. Com o passar do tempo, ele partiu para uma visão moderada sobre o livre-arbítrio, chegando, posteriormente, a assumir uma posição radical de predestinação. Porém, o que destacamos aqui é a compreensão da liberdade em Agostinho na obra o livre arbítrio.

Agostinho defende, em o livre arbítrio, que Deus é o criador de todo o bem. Não há nenhuma possibilidade do Criador haver criado o mal. De igual maneira ele defende que o mal é uma escolha do homem. Porém o ser humano escolhe o mal porque Deus lhe deu o livre-arbítrio e, por meio dessa livre escolha, o homem optou por fazer o mal. Isso suscita uma questão: se Deus criou o livre arbítrio e este mesmo leva o homem a pecar escolhendo o mal, não seria Deus o autor de um mal chamado livre arbítrio? A resposta em Agostinho é simples: Deus criou o livre-arbítrio, porém este não é um mal, mas um bem que procede de Deus. O homem é quem faz dele (do livre arbítrio) um meio para se chegar ao mal.
Mais uma questão é levantada: se o homem tem o poder de decidir fazer o bem ou o mal por meio do livre arbítrio que lhe é concedido, então o livre arbítrio pode ser entendido como liberdade? Não. De forma alguma. O livre arbítrio seria um elemento neutro entre a liberdade e a escravidão. Por meio desse elemento neutro o homem pode, voluntariamente, escolher o bem ou o mal. Se ele escolher o bem, certamente encontrará a liberdade. Se sua escolha for o mal, nunca poderá ter liberdade. Para Agostinho, em o livre arbítrio, todo mal é resistível.
Posteriormente, Agostinho vai defender que após escolher o mal o homem não tem mais o poder de livre escolha, muito menos de liberdade. É como alguém que para matar a si mesmo precisa estar vivo quando se mata, mas após ter se matado cessa de viver, não podendo mais restaurar a vida a si mesmo.
Em suma, o livre arbítrio não é um mal, mas um elemento neutro que o homem pode usar para chegar ao mal. Não é a liberdade, porém um elemento neutro que o homem pode usar para se chegar à liberdade, conhecendo a Deus e aceitando sua graça.
  
2 - Compreensão da liberdade em Sartre

            O pensamento existencialista de Sartre está intimamente ligado ao conceito de liberdade. A liberdade estaria ligada ao poder de escolha incondicional que o homem faz do seu ser e de seu mundo. É como se estivéssemos condenados à liberdade.

            "A existência precede a essência". Vontade precede a liberdade. Sartre parte da existência para chegar a alguma coisa. A liberdade é um poder absolutamente incondicional e está ligado à vontade, sejam quais forem as circunstâncias.
            Para Sartre, a liberdade está na vontade, essa vontade que faz com que o homem invente o próprio homem. O homem é o que projeta ser. Sendo assim, é possível defender, e Sartre assim o faz, que a liberdade está na vontade e é parte constituinte da consciência. Pensando dessa forma, haveria algum limite para o homem? Sim, pois a liberdade é situada. Mas é importante salientar que os limites dessa situação apresentam-se como ocasiões propícias à liberdade.
            Quando nos deparamos diante de situações as quais julgamos externas, mesmo esse pensamento é uma decisão livre, ou seja, decidimos encarar as coisas desta forma, a liberdade seria a conduta que abraçamos. Somos agentes livres para alguma coisa. A liberdade é sempre liberdade para alguma coisa, e "essa coisa" está na nossa decisão, e "essa decisão" é a liberdade que nos faz a nós e ao nosso mundo serem como são.
            Embora defendendo que a minha liberdade não depende da liberdade do outro, Sartre mostra que se há um compromisso entre a minha liberdade e a liberdade do outro. Não podemos tomar a nossa liberdade como fim se não considerarmos também como fim a liberdade dos outros.

            Portanto, a liberdade em Sartre deve ser entendida como um compromisso, ligado diretamente à vontade absoluta, e se manifesta em toda e qualquer ocasião. Somos condenados à liberdade.
  
3 - Liberdade em Agostinho e Sartre

            Quando observamos o conceito de liberdade no livre arbítrio de Agostinho e no pensamento de Sartre é possível compreender que tanto um quanto o outro trata da livre escolha. O que fará diferença entre ambos é que enquanto Sartre chama o poder da vontade, da livre escolha, do livre arbítrio de liberdade, isto num sentido absoluto, Agostinho atribui ao livre arbítrio, esse poder de escolha, o conceito de elemento neutro, um instrumento que pode levar à liberdade.
            Se para Sartre qualquer escolha que o homem faça, qualquer conduta pela qual opte já pode ser chamada de liberdade, para Agostinho o poder de escolha é apenas o livre arbítrio, um bem concedido por Deus que é "Todo Bem". Embora esse bem possa conduzir ao mal ou à liberdade (conhecimento da verdade de Deus).
            É preferível que se veja a questão da liberdade pela postura assumida por Agostinho em escritos posteriores ao livre arbítrio ao admitir que matamos a nós mesmos na queda, mas não podemos nos trazer de volta. A verdadeira liberdade teria sido perdida na queda. E, segundo o mesmo Agostinho defende em "Graça e livre arbítrio" nossa liberdade está em Deus, pois é ele que nos faz agir ao exercer eficazmente sobre a nossa vontade, isto é, até a nossa livre escolha é dom de Deus.
            Tanto Sartre quanto Agostinho se limitaram apenas a ver no homem o autor do seu destino. Este admitindo que no "livre arbítrio" o homem pode escolher a liberdade, aquele defendendo que o próprio poder de escolha já é a liberdade, para o bem ou para o mal.  Faltando alguma atribuição às causas externas, ou melhor, a principal Causa externa, a ação de Deus, que o mesmo Agostinho trabalha em momentos posteriores, defendendo que apenas o nosso representante federal, Adão, teve o poder de livre arbítrio, todos os seus descendentes já nasceram sob escravidão, cabendo ao divino o poder de dá-lhes a liberdade.

24 de maio de 2012

O Decálogo de Culpa dos Judeus



Pr. Gilson Soares dos Santos

Não sou judeu nem favorável àqueles que tentam judaizar o cristianismo. Acredito nas profecias bíblicas para o povo de Israel e oro pela paz de Jerusalém. Há muitos anos, li uma matéria num jornal cristão protestante cujo título era “O DECÁLOGO DE CULPA DOS JUDEUS”. Hoje reencontrei o texto e estou postando aqui no meu blog. Não sei a autoria, embora tenha buscado saber quem é o autor ou autora desse lindo texto. Ei-lo:

"Não resta a menor dúvida de que o povo judeu é o bode expiatório para tudo. A história que o diga. Perseguido por governantes de todas as nações, tanto individual como em conjunto, o judeu tem sido hostilizado, acusado e culpado por tudo. Exemplificando a atualidade, vejamos a Polônia, cuja presença judaica é quase inexistente em população, porém os antigos anti-semitas culpam os judeus pela situação polonesa. O mesmo ocorreu no massacre horripilante no Líbano causado pelas facções libanesas, burlando a vigilância israelense e realizando o ato macabro nos acampamentos dos refugiados. Lamentavelmente, o Líbano tem sido palco desses massacres, basta ver o ato horripilante realizado em Damour pelos palestinos no trágico 15 de janeiro de 1976. Em seu livro 'Crise no Líbano', o ex-presidente libanês Camile Chamoun relata o massacre causado pelos palestinos na população civil libanesa da seguinte maneira: 'Numerosos elementos palestinos conseguiram tomar posição em uma parte do bairro leste de Damour. Aí eles se lançaram ao seu jogo costumeiro de destruição, incêndio e de massacre: mulheres atacadas a facadas e machucadas e pequenos garotos, de dois, três, cinco e dez anos estrangulados...'

 Dito isto isto, contrário à guerra, e favorável ao diálogo entre os homens de boa vontade, quero concluir culpando os judeus pelos seguintes fatos históricos, muitos dos quais já totalmente esquecidos:

1º - São culpados pelo aparecimento de um homem chamado Arthur Solomon Loevenhart, grande farmacologista judeu, que principiou a descoberta dos medicamentos contra a sífilis.

2º - São culpados pela descoberta da estreptomicina, valorosa no tratamento da tuberculose.

3º - São culpados pela descoberta da vacina que destruiu o fantasma da poliomelite. Albert Sabin venceu a luta contra a pólio e muitos anti-semitas hoje são beneficiados, vacinando seus filhos contra a terrível moléstia.

4º - São culpados pelo surgimento da anestesia que elimina dor em uma cirurgia. Extraordinária contribuição à humanidade.

5 º - São culpados pelo pioneirismo da moderna ciência da Odontologia.

6º - São culpados pela cirurgia que faz extração do cálculo renal. Quantos anti-semitas já foram beneficiados com tal cirurgia? Graças ao judeu culpado, Dr. Dittel.

7 º - São culpados pelo invento do motor a gasolina, que transformou totalmente o transporte do mundo. Foi um Judeu chamado Elegried Marcus que, em 1875, proporcionou tal contribuição à humanidade, incluindo os anti-semitas.

8 º - São culpados por terem deixado uma herança maravilhosa no mundo, chamada Escrituras Sagradas, cujos 66 livros foram escritos por judeus. Quantos livros famosos existem, porém a Bíblia é sempre a mesma. "Lâmpada para os meus pés é a tua Palavra e luz para o meu caminho" Sl 119.105.

9º - São culpados por serem o meio usado por Deus para dar ao mundo "O maior judeu de todos os tempos", aquele que é a Esperança da vida eterna, que transforma o homem pecador numa vida voltada ao Eterno, através do Novo Nascimento. Muitos anti-semitas dizem o adorar, mas desconhecem suas palavras: ´"Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos, pois a salvação vem dos judeus", Jo 4.22. É Ele a revelação do Pai, gerado por obra do Espírito Santo no ventre de uma judia chamada Maria. É Jesus.

10º - Finalmente, são culpados pelo simples fato de serem judeus, "menina dos olhos de Deus". Assim, o Eterno os chama no livro de Zacarias 2.8.

Termino com 10 responsabilidades, pois o número de é sugestivo; ele nos lembra o decálogo precioso dado por Deus ao grande profeta Moisés, que por sinal também era judeu".

23 de maio de 2012

Pastor Jotinha é Uma Farsa? Tire Suas Dúvidas


Rev. Gilson Soares dos Santos

     O Pastor Jotinha é uma farsa. Esta é a conclusão de muitos líderes das Igrejas "Assembleia de Deus" no Brasil. O Pastor Jotinha, que há muito vivia no anonimato, surgiu, próximo ao centenário das Assembleias de Deus, como um dos pioneiros desta denominação pentecostal. O problema é que o citado pastor passou a fazer viagens pelos Brasil contando seu testemunho pessoal e proezas do pioneirismo pentecostal no Brasil, apresentando-se como um dos compositores dos hinos da Harpa Cristã, os quais leva a autoria de J. R., que seria José Rodrigues, o Pastor Jotinha. Seu testemunho levantou algumas suspeitas, dentre elas, sua idade (102 anos), sua composição de hinos da Harpa Cristã, suas histórias de milagres extraordinários, sua convivência com Daniel Berg e Gunnar Vingren e a participação em igrejas e cidades. Não durou muito (e até que durou), os assembleianos começaram a investigar a história deste homem e constataram que ele não passa de uma farsa. Veja a seguir o que o Pastor Isael Araujo, autor do "Dicionário do Movimento Pentecostal", publicado pela própria CPAD, diz sobre o Pastor Jotinha.

1 - Sobre a composição dos hinos

1.1 - Jotinha afirma que compôs o Hino de Número 01 da Harpa Cristã, "Chuvas de Graça". Isto é mentira. Por quê? Antes de Jotinha, este hino já estava no Hinário Congregacional "Salmos e Hinos". Veja o que diz o Pr. Isael Araujo:

O hino Nº 1, “Chuvas de Graça”, foi escrito originalmente em inglês pelo norte-americano Daniel Webster Whittle (D.W.W.) em 1883, sob o título “There Shall be Showers of Blessing”, sua música é de James McGranahan (J.M.) e foi publicado no hinário Gospel Hymns sob o Nº 4. Na América ficou conhecido apenas como “Showers of Blessing”. Foi traduzido para o português em 1890, por Salomão Luiz Ginsburg ao chegar ao Brasil como missionário. Em 1923, constava no hinário da Igreja Evangélica Congregacional, Salmos e Hinos, 4ª edição, sob o N° 331. 

Pastor Jotinha, no vídeo afirma que ele escreveu este hino ao ser inspirado em oração num monte quando uma irmã usou da palavra (em profecia) “eu enviarei à minha igreja chuvas de graça; eu darei fortaleza aos meus servos e às minhas servas; darei ricas bênçãos sem par”. Ele, então, pegou o lápis, escreveu e Deus lhe deu o hino “Chuvas de Graça”. Em seguida, ele deu o hino para o evangelista Adriano Nobre que disse para ele que iria colocar como o hino Nº 1 da Harpa Cristã. Adriano teria dito ainda que ele fosse orar mais, pois Deus lhe daria outros hinos.

A letra da primeira versão em português feita em 1890 pelo missionário batista Salomão Luiz Ginsburg, no Salmos e Hinos, mantém a palavra “chuva”.  Portanto, antes mesmo de Jotinha ter nascido já existia este hino usando justamente a palavra “chuva” como ideia central da mensagem que ele diz ter ouvido da boca da tal irmã num monte.


1.2 - Jotinha afirma ter composto o hino Nº 5 da Harpa Cristã. Isto também não é verdade.  Este hino já fazia parte do Hinário Congregacional "Salmos e Hinos". Como sabemos? Leia o que diz o Pastor Assembleiano Isael Araujo:


O hino Nº 5, “Ó Desce, Fogo Santo” foi originalmente escrito pelos norte-americanos Mrs. James, sob o título “My All Is On The Altar” e a música foi dada pela pianista metodista Phoebe Palmer Knapp (1839-1908). Consta no hinário Redemption Songs, sob o Nº 609. Foi incluído na 2ª edição (1889) do hinário da Igreja Evangélica Congregacional, Salmos e Hinos, sob o título “Consagração Pessoal” (Nº 332, antigo Nº 232) com tradução para o português de João Gomes da Rocha, em 1888.


1.3 - Pr. Jotinha diz que é o compositor do hino Nº 84 da Harpa Cristã. Isto é outra farsa. Por quê? Este hino também já estava nos Salmos e Hinos, da Igreja Congregacional. Vejamos como o autor do Dicionário do Movimento Pentecostal expoe:

O hino N° 84, “O Grande ‘Eu Sou’ ”, foi escrito pelo pastor norte-americano Edgar Page Stites (E.P.S.) em 1876 sob o título “Beulah Land”, inspirado em Isaías 36.17. Sua música é do professor de música presbiteriano John Robson Sweney (J.R.S.). Foi adaptado para o português em 1891 pelo missionário metodista Justus Henry Nelson e, em 1919, constava na 4ª edição do hinário da Igreja Evangélica Congregacional, Salmos e Hinos, sob o N° 401 com o título “Bela Terra”.  Na edição atual do Salmos e Hinos é o 585.

1.4 - Jotinha afirma que Deus lhe deu a composição do hino 96 da Harpa Cristã. Será que é verdade? O Pr. Isael Araujo mostra que este hino também já estava no Salmos e Hinos da Igreja Congregacional. Veja o que ele diz:

O hino N° 96, “Deixa Penetrar a Luz”, foi escrito pela norte-americana Ada Blenkhorn (A.B.) em 1885 sob o título “Let the Sunshine In” e recebeu música por Charles Hutchison Gabriel (C.H.G.). Em 1923 podia ser encontrado no hinário Sacred Songs e Solos sob o N° 795. Consta no hinário da Igreja Evangélica Congregacional, Salmos e Hinos, sob o N° 302, com o título “Deixa o Sol em Ti Nascer” e tradução para o português de Antonio Querino Lomba, em 1900.


1.5 - Jotinha em seus testemunhos afirma que também compôs o Nº 187 da Harpa Cristã. Ora, é comprovado que esse hino também já estava nos Salmos e Hinos da Igreja Evangélica Congregacional. O Pr. Isael Araujo, em seu blog, "dicionariomovimentopentecostal", nos traz a história desta composição:


O hino Nº 187, “Mais Perto, Meu Deus, de Ti!”, foi escrito pela norte-americana Sarah Flower Adams (S.F.A.) em 1841 sob o título “Near, My God, to Thee”. A música foi escrita por Lowell Mason em 1856.
Sarah era compositora e, um dia quando estudava a Bíblia, ficou tão impressionada com a história do Gênesis, da visão de Jacó, em Betel, a escada que alcançava o céu, e os anjos que desciam e subiam por ela (Gn 28.10-19).
Sarah legou-nos outros 12 hinos.
Lowell Mason, músico sacro, deixou registrado na história que, em uma noite de 1856, depois de despertar de um sono, com olhos aberto na escuridão, na solidão da sua casa, veio a ele, pela manhã, a melodia para a letra escrita por Sarah Adams.
Este hino só passou a constar na Harpa Cristã a partir de 1941 quando saiu o hinário com os tradicionais 524 hinos organizados por Paulo Leivas Macalão. Portanto, não constou em nenhumas edições anteriores, muito menos na primeira, como dá a entender pela narrativa de Jotinha no vídeo no Youtube.
- Se foi Jotinha quem escreveu este hino, então ele tinha em torno de 12 anos de idade quando o compôs, pois a primeira edição da Harpa Cristã com 100 hinos foi publicada em 1922 em Recife (PE) e ele nasceu em 1910. Além disso, como ele afirma que o tal “irmão boadeiro” se referia a ele como pastor, então ele tinha esta ordenação aos 12 anos!
- Se foi Jotinha quem escreveu este hino e a orquestra do Titanic o tocou enquanto o navio naufragava, então, Jotinha o compôs quando tinha 1 ano e 10 meses de idade!!! (Jotinha afirma ter nascido em 24 de junho de 1910 e o Titanic afundou em 15 de abril de 1912.)
- Pergunto: Como foi Jotinha o autor deste hino se, em 1901, William Mckinley, presidente dos Estados Unidos, à beira da morte, suas últimas palavras foram: “Mais perto quero estar meu Deus de Ti, mesmo que seja a dor que me una a Ti – foi minha constante oração”, segundo relatos do médico que o assistiu, no momento de dor, o Dr. M. D. Mann? E mais, na tarde de 5 de setembro de 1901, após 5 minutos de silêncio, várias bandas de música de Nova Iorque, tocaram este hino em memória do presidente.  Segundo Jotinha afirma, o seu nascimento se deu em 1910. Portanto, nove anos depois da morte de Mckinley.
 
Sua versão em português foi feita em 1888 pelo Dr. João Gomes da Rocha e foi publicado no hinário da Igreja Evangélica Congregacional, Salmos e Hinos, sob o N° 219, com o título “Mais Perto Quero Estar” (atual Nº 360).
Jotinha afirma que ele escreveu este hino para um “irmão boadeiro” que lhe pediu um hino para também entrar na primeira edição da Harpa Cristã que seria “fechada” com 100 hinos. 
- As iniciais J.G.R. no hino 187 é de João Gomes da Rocha conforme o índice de autores nas páginas finais da Harpa Cristã.
- João Gomes da Rocha fez esta versão em 1888 para o Salmos e Hinos e foi utilizada a mesma versão (há pequenas variações) na Harpa Cristã, não somente a melodia. É tanto que o nome de João Gomes da Rocha foi mantido. 
Interessante é que a letra vertida em português por João Gomes da Rocha é quase uma tradução direta do original em inglês de 1841.
- Quem foi João Gomes da Rocha? Foi o médico nascido em 1861 no Rio de Janeiro e falecido em 1947, filho de pais português, mas filho adotivo do casal Robert e Sarah Poulton Kalley, missionários fundadores da Igreja Congregacional no Brasil e da Escola Dominical. João Gomes estudou e se formou em Medicina na Inglaterra e seguiu os passos de seus pais adotivos na Igreja Congregacional e na música cuidando do hinário Salmos e Hinos até sua morte. Ele passou a maior parte da sua vida na Inglaterra, mas ele visitou o Brasil várias vezes e falava bem o português.  No Salmos e Hinos contam, entre versões e composições, 67 hinos com o seu nome.


2 - Sobre a alegação de ser José Rodrigues


2.1 - Pastor Jotinha afirma que o compositor J.R. que está nos hinos da Harpa Cristã é José Rodrigues, ou seja, o próprio Jotinha. Sobre isto há um esclarecimento do Pr. Isael:


Quem é o “José Rodrigues” registrado na Harpa Cristã como o autor das letras dos seis hinos tratados aqui? Para tentar obter a resposta, consultei dois estudiosos da história da Harpa Cristã. Conversei demoradamente sobre este assunto com o maestro e juiz de Direito, Abner Apolinário, da Assembléia de Deus de Recife (PE), profundo conhecedor e amante da Harpa Cristã. Maestro Abner declarou-me que nada conhece a respeito do José Rodrigues da Harpa Cristã e nunca havia ouvido falar do “Pastor Jotinha”. Consultei também o maestro e pastor João Pereira, que trabalhou durante anos chefiando o extinto Setor de Música da CPAD e que também fez parte da Comissão que, de 1979 a1992, revisou e atualizou a Harpa Cristã. A resposta do maestro João Pereira foi a mesma do maestro Abner Apolinário. 
Um dos mais antigos obreiros das Assembléias de Deus, conhecido nacionalmente e ainda bastante lúcido, pastor José Pimentel de Carvalho, presidente da Assembleia de Deus de Curitiba (PR), segundo informou-me o irmão Tadeu Costa (secretário de educação cristã da AD Curitiba), quando consultado recentemente a respeito de José Rodrigues (Pastor Jotinha), disse que não o conhece e nunca ouviu falar sobre ele. (Pastor José Pimentel de Carvalho faleceu em 24 de fevereiro de 2011, aos 95 anos.)
Fiz também contato com Eliézer Cohen, pesquisador e historiador das Assembleias de Deus há mais de 30 anos. Ele, então, informou-me sobre um “José Rodrigues” mencionado em duas edições do extinto jornal Boa Semente, publicado pela Assembleia de Deus de Belém do Pará, de 1919 a 1930, e, em seguida, enviou-me cópias das referidas edições.
 

O que Eliézer Cohen e eu descobrimos foi o seguinte: Na edição de 16 de abril de 1919, pastor Gunnar Vingren, diretor do Boa Semente, no Expediente, página 1, faz um pedido de oração aos leitores para um irmão chamado “José Rodrigues” nas seguintes palavras:



Orem pelo nosso amado irmão José Rodrigues, nosso auxiliar para que o Senhor lhe dê graça, força e saúde, para que ele continue a dar-nos tão importante auxílio como o que nos vem prestando.

Nesta mesma edição de 1919, foi publicado um hino sob o título “Victoria do Crente”. Abaixo do título aparece, entre parênteses, “Musica: Psalmos e Hymnos, n° 401”. Após a última estrofe, aparecem as informações “Pará-1919”e “José Rodrigues”. A letra não é a mesma criada por Justus Nelson e que fora publicada há alguns anos no hinário Salmos e Hinos, mas por meio da informação citada abaixo do título, obviamente, a música é a mesma do N° 401 do Salmos e Hinos, que, por sua vez, tinha a música do “Beulah Land” escrito pelo pastor norte-americano Edgar Page Stites em 1876. A menção “José Rodrigues” no final do texto dá-nos a entender que é o nome de quem criou a nova letra em português e intitulou o hino de “Victoria do Crente”. Esta letra é a mesma que aparece na 2ª edição da Harpa Cristã, publicada em 1923 e a mesma impressa nas atuais edições, com pequenas diferenças, sob o título “O Grande ‘Eu Sou’ ”, N° 84, que o “Pastor Jotinha” afirma ser o autor. 


Três meses após a essas duas menções do nome “José Rodrigues” no Boa Semente de abril, no Expediente da edição do mesmo jornal em 27 de julho de 1919, pastor Gunnar Vingren dá a notícia de que o irmão “José Rodrigues” para o qual ele havia pedido orações anteriormente, morrera no dia 2 de junho daquele ano. Eis a nota do jornal: 
Em nosso penúltimo número deste jornal pedimos as orações de todos os crentes em Jesus Cristo pelo nosso auxiliar, o irmão José Rodrigues, que o Senhor lhe desse graça, força e saúde para continuação de tão importante auxílio que nos vinha prestando. Mas aprovou a Deus tomar para si o nosso irmão, que dormiu alegre no Senhor no dia 2 de junho. Agora nós viemos pedindo aos nossos irmãos orar ao Senhor nos dê outro auxiliar para suprir a falta do nosso amado irmão em tão importante serviço que nos prestava.

Parece-me, pelas duas notas transcritas, que o “irmão José Rodrigues” havia sido um importante auxiliar de Gunnar Vingren e dos outros recém-chegados missionários, para a redação do jornal Boa Semente. Pois estes, nessa ocasião, ainda dependiam muito de brasileiros para lhes ajudar a redigir corretamente textos e hinos no idioma português. Por esta razão, também parece a mim e a Eliézer Cohen que este “José Rodrigues”, que morreu, bem pode ter sido o mesmo “José Rodrigues” que aparece como autor da letra do hino “Victoria do Crente” impresso na edição de 16 de abril de 1919 do Boa Semente, e, por sua vez, também autor das versões dos hinos 1, 5, 8 e 96. Por outro lado, se este autor “José Rodrigues” é o mesmo José Rodrigues (Pastor Jotinha), "nascido em 1910", que vive atualmente no Espírito Santo, ele, então, com apenas nove anos de idade, compôs uma bela letra e fez todo o trabalho de adaptação à métrica da música “Beulah Land”, para que os crentes assembleianos viessem a cantar uma versão em português deste hino americano. Além disso, ele conta em seu testemunho gravado em vídeo na Internet que, por volta de 1915, com 5 anos de idade, retornou com os seus pais para Israel, mas não informa quando voltaram para o Brasil.


3 - Quem é Jotinha


3.1 - A CGADB investigou sobre o Pastor Jotinha e abaixo está quem realmente é o homem que anda por este Brasil contando suas histórias de "milagres e lendas", e que diz ter nascido em Israel. Veja ainda o que descreve o Pr. Isael Araujo, como já frisamos, autor do Dicionário do Movimento Pentecostal, e um dos nomes de destaque nesta denominação pentecostal.


Na investigação verificou-se que os números do RG e CPF que constam na ficha cadastral do senhor José Rodrigues (Jotinha) na CGADB, sob o Nº 43.610, são os mesmos de José Rodrigues Ferreira cujos dados pessoais são os seguintes: nascido em 22 de junho de 1935, na cidade de São Gonçalo, no Estado do Rio de Janeiro, filho de Pedro Vicente Ferreira e Idalina Rodrigues Ferreira, divorciado em 1987 de Esmeralda da Silva Ferreira, cujo casamento aconteceu em 30/12/1961.

Conclui-se, então, que:

- José Rodrigues (Jotinha) é, na verdade, o senhor José Rodrigues Ferreira.

- José Rodrigues (Jotinha) não nasceu em Israel e nem é filho de judeus. Ele nasceu no Estado do Rio de Janeiro e seus pais são brasileiros.

- José Rodrigues (Jotinha) nasceu em 1935 e tem, portanto, 76 anos.

- José Rodrigues (Jotinha) não pode ter convivido com Gunnar Vingren, porque este morreu em 1933 na Suécia antes de Jotinha ter nascido. Com Daniel Berg, muitos irmãos antigos conviveram com ele porque este viveu no Brasil até 1962.

- José Rodrigues (Jotinha) não teve o tal encontro com a irmã Frida Vingren sobre o hino 126, embaixo de um pé de pitomba, porque Frida e Gunnar Vingren retornaram para a Suécia em 1932 (antes de Jotinha nascer) e nunca mais voltaram (Gunnar morreu em 1933 e Frida em 1940).

- José Rodrigues (Jotinha), diferentemente do que ele afirma, já foi casado e divorciou-se.

Obviamente, José Rodrigues (Jotinha) não poderia sequer ter menção nas comemorações do Centenário das Assembleias de Deus por apresentar uma história que já há algum tempo, pelos motivos expostos acima, tem-se evidenciado não ser verdadeira.



     Muita coisa poderia ser escrita para alertar sobre o Pastor Jotinha, mas a parte que ele alega para si a autoria de hinos que os Salmos e Hinos já traziam em suas edições é suficiente para percebermos que este homem falta com a verdade. 
     Para saber mais visite o blog do Pr. Isael Araujo, no link em que ele fala sobre Jotinha e as composições da Hinologia Assembleiana. Clique Aqui.
     Deus nos abençoe!